Ouvi uma conversa da minha filha com a sua amiga de 11 anos. Minha filha queria que elas dançassem. “Não sei dançar”, disse a amiga. Minha filha respondeu: “E so dançar”. Isso deu-me início a algumas reflexões sobre “parar de aprender” em nossas vidas profissionais. Podemos aprender muito com as crianças, por exemplo, sobre a negociação ganha-ganha em uma publicação anterior.

Como poderia a amiga da minha filha declarar que não sabia dançar? Ela deveria ter feito algum curso de dança antes? Ela não tinha certificação? Dançar era um obstáculo tão grande que exigia um longo processo de aprendizagem para ser superado? Se ela “decide” ou “aceita” que não consegue dançar aos onze anos, como é que ela vai dançar aos dezesseis?

Seja receptivo

Em cada processo de aprendizagem, a receptividade a novas informações é uma condição sine qua non. Ao aprender uma língua, no início, você precisa pegar algumas palavras em um oceano de sons. Mais tarde, quando você já tem algum vocabulário, torna-se importante ter uma boa noção das expressões, combinações, ordenação, etc. Se você não está “aberto” / “fazendo o seu melhor” para pegar os blocos de construção de uma língua, você nunca vai progredir. Algumas pessoas conseguem viver durante anos num país diferente do seu sem nunca aprender a língua do país!

Supere o medo

Certos assuntos têm um “fator medo”, uma “barreira psicológica” ligada a eles. Isto leva as pessoas a pararem rapidamente de aprender. No mundo da gestão de contratos, tenho em mente questões de seguros ou fiscais ou mesmo certos conceitos jurídicos gerais (como indemnizações). Muitas pessoas pensam que “isso não é para mim”. E já chega. Nunca será. Eles simplesmente param de aprender.

Seja humilde

Depois, tem os assuntos binários. Como a arte da negociação, com duas categorias principais:

  • Algumas pessoas estão convencidas demais. Eles se consideram negociadores nascidos. Os mestres da negociação!
  • E outras pessoas acreditam que não são bons nisso de qualquer maneira. Assim, eles evitam tudo isso, deixando para outros

Ambas as atitudes estão erradas porque inibem o aprendizado. A primeira porque “Por que aprender? Quando você sabe tudo…”. A segunda: “Por que aprender se você nunca será bom nisso?” Os melhores negociadores são humildes. Eles sabem os erros que cometeram no passado. Observam os outros para aprenderem com eles. Pensam e lêem sobre o assunto.

Pára de “parar de aprender”.

Hand writing never stop learning on a white board

O Maradona não precisava de treino ?!? Mas para todos os outros…. Christiano Ronaldo é (talvez) o melhor, porque, como todos os seus companheiros de equipe testemunham, ele se aplica mais.
Todos nós precisamos parar de “parar de aprender”. Não deve haver um assunto que nós tiramos de nosso cérebro e de nossa memória. Às vezes rapidamente, outras vezes lentamente. Mas, sempre, precisamos de pegar alguns blocos de conhecimento, também quando se trata de seguros, impostos e indemnizações!

Então, muita coragem! Mantenham essa atitude.

Com uma ajudinha de um(a) amigo(a)

E se você precisar de ajuda: o blog da AfiTaC está lá para estimular a reflexão e a aprendizagem.

Ainda assim, o melhor facilitador é o coaching. Um coach lhe mostrará onde você parou de aprender, o ajudará a superar alguns obstáculos, falará sobre seu comportamento (adverso) de aprendizagem e o guiará.

Se você quiser ser bem sucedido na gestão de contratos, ou na vida, nunca aceite que você pare de aprender … até o seu último dia.

Categorias: afitac blog

Jan Bouckaert

Jan Bouckaert é um Árbitro Certificado pela FIDIC (Lista do Presidente) com 25 anos de experiência mundial na negociação de projetos complexos de construção, energia renovável, energia e infra-estrutura. Também é especializado em gerenciamento de contratos, controle de projetos e resolução alternativa de disputas. Durante a carreira de Jan, ele viveu na França, Bélgica, Egito, Índia e Portugal e trabalhou para a GE Renewable Energy, Alstom Hydro, Besix/Six Construct. É Engenheiro Civil pela Universidade de Leuven (Bélgica) e tem um MBA do ISEG (Portugal). Fala fluentemente inglês, francês, português e holandês. Jan é o fundador da AfiTaC, uma empresa que presta consultoria em licitações e contratos internacionais, e diretor geral de Proove SAS. Seja bem-vindo a estabelecer conexão no LinkedIn : https://www.linkedin.com/in/afitac/

0 comentários

Deixe uma resposta

Avatar placeholder

O seu endereço de email não será publicado.